[Como funciona] Pedais de Boost (Boosters) – Como utilizar?

central do rock pedal pedais efeito boost booster guitarra baixo contrabaixo artigo coluna dicas aprender aprenda usar uso como funciona utilizar configuração regulagem regulagens timbre equalização frequência ganho volume overdrive

Introdução:

Escrevi este artigo originalmente na Central do Rock em 14/06/2011, pensando em auxiliar aquelas pessoas que sempre ouviram falar na utilização de pedais de boost, mas ainda não viu uma situação prática de uso.

Como o artigo é um dos mais acessados e continua sendo uma das principais dúvidas entre os guitarristas, resolvi publicar aqui também com pequenas atualizações.

 

Mas afinal, o que é um Booster?

A palavra vem do verbo to boost que significa impulsionar, aumentar, amplificar, intensificar… etc. Então um booster é um impulsionador, aumentador, amplificador, intensificador e por aí vai.

Na prática, eu nunca usei booster de verdade. Sempre usei uma combinação de overdrives, alguns mais “quentes” e outros mais “frios”.

Sem muito esforço, poderíamos classificar os boosters em 3 (três) tipos:

1 – De ganho;
2 – De volume;
3 – De frequência ou equalização.

 

Boost de ganho:

No dia a dia, muitas vezes precisamos de uma distorção de um tipo para base e outra para solo. Normalmente, quando se coloca muito drive na base, o som fica embolado e difícil de entender. Porém, na maioria dos casos, mais distorção nos solos é desejável, seja por deixar as notas mais destacadas, bem como por aumentar a sensibilidade, compressão e sustentação. (Boost de ganho)

 

Boost de volume ou clean boost:

Em alguns momentos, também fica interessante aumentar o volume durante os solos para que o solo também se destaque mais. (Boost de volume)

 

Boost de EQualização:

Outras vezes, a base requer um timbre com menos médios, já o solo, para sobressair quanto aos demais instrumentos, precisa de um pouco mais de frequências médias. (Boost de frequência ou equalização)


Revelado o novo método para aprender a tocar guitarra sem sair de casa
A combinação de 2 (dois) drives oferece tudo isto com apenas um clique. Um pedal pode ficar com menos ganho, volume e com uma equalização menos “brilhante”. O outro (que será usado como booster) poderá ficar pre-configurado para acrescentar as 3 coisas (ganho, volume, médios, por exemplo). Na hora de solar, é só pisar e pronto, você aumentará o ganho, o volume e também mudará a equalização para dar mais destaque e melhorar a pegada durante os solos.

Quando se compra boosters tradicionais, normalmente eles oferecem uma intensificação de ganho e volume. Existem outros específicos para intensificar a equalização. Assim temos Middle Boosters (p.ex.) que acrescentam médios, outros acrescentam graves e outros agudos.

Exatamente por isso que nunca usei pedais de boost tradicionais, pois teríamos que ter muitos pedais para poder ter uma variedade suficiente de recursos.

Por isso, no final das contas é preferível ter um bom pedal Equalizer a ter vários boosters de frequência. O Equalizer ainda pode oferer o boost de volume, basta ajustar o Level no nível desejado.

Se você não necessita variar a equalização a cada música, desejando somente um leve ganho nos médios, a utilização de um overdrive Low Gain é a mais recomendada. Como disse anteriormente, a vantagem de usar um overdrive é ter todos os tipos de boost num só pedal. Obviamente, não teria as mesmas possibilidades de combinar 2 (dois) boosters ou 1 (um) booster + 1 (um) Equalizer, mas atende o suficiente para incrementar o timbre nas passagens que necessitam de mais destaque.

Alguns guitarristas utilizam outros pedais como boost de volume (o delay seria um ótimo exemplo). Isto é possível quando durante o solo, o guitarrista já iria utilizar o efeito de qualquer jeito. Então ele configura a equalização (quando o pedal tem ajuste de equalização) para alterar o timbre, e aumenta bastante o Level (nível de saída) para subir também o volume. Neste exemplo, numa pisada só, o músico adiciona o delay, o volume e altera a timbragem do instrumento.

É um artifício bastante interessante. Lógico, você fica engessado, só podendo intensificar o sinal junto com o efeito (delay no exemplo dado).

Pure Plexi EFX - O clássico timbre britânico aos seus pés! Compre já!Outros utilizam o compressor como boost. Com ele será possível aumentar a sensibilidade e sustentação da nota e de quebra, também o volume se o pedal tiver um controle de Level. Alguns compressores também possuem um filtro de equalização, podendo o guitarrista utilizar-se também de um boost de frequência.

Durante estes estes 19 (dezenove) anos que toco guitarra, eu percebi que algumas técnicas são mais eficientes que outras. É claro, que tudo também depende dos pedais utilizados, pois cada modelo e marca tem características próprias.

Como disse no princípio, minha preferência pessoal fica com a combinação de 2 (dois) pedais de drive. Como ainda existe os artíficios de combinar os outros pedais de efeito (compressor, delay… etc.) acho que os pedais exclusivamente feitos para boost têm pouco espacho no meu Rig. Seria um luxo ao qual não me daria o prazer (risos).

 

Conclusão sobre boosters

No entanto e concluindo, tudo depende muito do gosto pessoal, e também do tipo de som que o guitarrista faz ou irá fazer. O ideal é testar tudo e ver o que fica melhor.

Como diria Bruce Lee, “só se aprende a lutar lutando!”

Um abraço e até a próxima dica.

 

Elvis Almeida
Elvis Almeida
www.elvisalmeida.com