• Home »
  • Dicas »
  • [Guia de Sobrevivência – Amplificadores Valvulados] Atenuadores de Potência: Como funcionam?

[Guia de Sobrevivência – Amplificadores Valvulados] Atenuadores de Potência: Como funcionam?

O nosso Guia de Sobrevivência de Amplificadores Valvulados agora aborda o tema “atenuadores” para os guitarristas que amam válvulas de potência “fritando” mesmo em baixos volumes

 

Atenuadores de Potência: Como Funcionam?Introdução aos atenuadores

 

Todo guitarrista, depois de suas palhetadas iniciais, começa a querer melhorar seu equipamento. E a primeira coisa que ouvimos é que em matéria de amplificadores, os melhores são os valvulados. Ainda que este tema de ser melhor ou não, uma coisa todos concordam (principalmente para quem curte Rock e suas variações): um dos maiores responsáveis pelo som da guitarra que tanto amamos são os amplificadores valvulados.

 

Portanto, ainda que não seja melhor, o fato é que gostamos mais deles!

 

Mas o que tornou os valvulados tão famosos, melhor dizendo, aquilo que eles se destacam e deixam para trás os transistorizados, é a etapa de potência (power). Isto se deve aos harmônicos que são acrescentados, compressão (quando o projeto permite o SAG) e “delicioso” crunch proveniente das válvulas fritando. O crunch produzido pelas válvulas de power tem sido muito desejado por muitos guitarristas e é obtido através da saturação da etapa de potência.

 

O problema é que num amp de 50W ou 100W colocar o volume “no talo” na maioria das oportunidades vai gerar confusão. Ou o vizinho chama a polícia, ou os companheiros de banda reclamam, ou a esposa de coloca para dormir no sofá por uma semana no mínimo (risos). Como um amplificador com até 5W geralmente não tem a quantidade de recursos (canais, loop, reverb… etc.) que a gente necessita, a solução é escolher um amplificador que tenha todos as características que desejamos, inclusive o atenuador de potência. Às vezes a solução pode ser a utilização de atenuadores externos, principalmente quando o “amp dos sonhos” não vem com atenuador de fábrica, ou não atenue o suficiente.

 

Até agora você já percebeu para que serve um atenuador de potência. A seguir farei uma singela classificação dos atenuadores, para melhor explicarmos seu funcionamento, os tipos, bem como suas características.

 

 

Classificação dos atenuadores de potência

 

Quanto à localização: Interno ou Externo

Atenuadores internos:

Como o nome já diz claramente, este tipo de atenuador é instalado internamente no amplificador, seja de fábrica ou através de uma adaptação (MOD). Atualmente, muitos amplificadores com potência acima de 15W estão saindo de fábrica com este recurso.

Atenuadores externos:

Quando seu amplificador preferido não tem atenuador de potência e você precisa (ou deseja) saturar o power outra alternativa interessante é adquirir um atenuador externo. Geralmente os atenuadores externos são do tipo resistivo, ou seja, oferecem resistência à transferência de energia da potência para os alto-falantes. Conversando com o handmaker Augusto Pedrone, ele também me disse que há a possibilidade de se atenuar a potência utilizando-se de alto-falantes com baixa sensitividade (sensitivity), e que aliás, existe uma linha da Eminence que ajusta a sensitividade, alterando a relação watts/decibéis (potência/volume).

 

Quanto ao sistema de atenuação: Resistivo, Eletrônico e  do tipo “Modo Triodo”

Atenuador resistivo:

Este tipo consiste na instalação de resistores de fio (com alta capacidade de dissipação) em estágios ou seguimentos, tantos quantos são necessários para realizar a atenuação. No momento, o atenuador deste tipo que está “na crista da onda” é o Jettenuator, projetado por Mike Soldano e fabricado pela Jet City Amplification. Mas não se pode esquecer os famosíssimos atenuadores das marcas Weber e Palmer.

O ponto positivo deste circuito é que ele possui alto índice de atenuação. O lado negativo é que é muito difícil neste tipo de circuito atenuar e ao mesmo tempo casar as impedâncias corretamente para não sobrecarregar a etapa de potência. Outra reclamação para quem usa este tipo de circuito, é a degeneração do timbre, isto porque, quanto mais se atenua, mais o som do amplificador é comprometido.

Atenuador eletrônico:

Este tipo de atenuador, já tinha sido usado pela Fender nos “anos dourados” e consiste em ajustar (controlar, reduzir) as tensões das válvulas de potência. Não vou entrar em tantos detalhes técnicos e eletrônicos, pois não são pertinentes aqui, talvez em outro artigo. Atualmente, temos um representante nacional deste tipo de atenuador, que é o Pedrone Pegasus 18+ (clique aqui para conhecer e comprar), cujo projeto eletrônico tem agradado a muitos guitarristas.

O ponto positivo deste circuito é que, desde que seja bem projetado, é o atenuador que menos degrada o timbre. Outra coisa positiva é que neste tipo de atenuação, a válvula não trabalha saturada demais, o que permite maior durabilidade da mesma. O ponto negativo,  se é que podemos dizer que existe algum, é justamente o projeto. Se não for bem feito, você terá atenuação, mas sem saturação do power, pois corre-se o risco de que o headroom (limite em que o power começa a crunchar) também é afetado.

Tenha os timbre PLEXI, JCM e AFD em um único amplificador! Compre já seu PEGASUS 18+!Atenuador “modo triodo” (ou meia potência):

Este tipo consiste na instalação de uma chave que força as válvulas de potência (normalmente pentodos ou tetrodos) a trabalhar como se fossem triodos. Este é o sistema de atenuação mais usado, mas não por sua eficiência, mais pelo seu baixíssimo custo. Trabalhando como triodos, as válvulas de potência têm uma redução de aproximadamente 50% da potência nominal. Por isso muitos fabricantes chamam este tipo de atenuação como “chave de meia potência”.

O ponto positivo deste circuito, a meu ver é o baixíssimo custo. Pra quem curte som de triodos (não é o meu caso) pode até ser legal. O lado negativo consiste no fato de que o som de triodo é muito áspero. O crunch que vem da válvula de potência operando em modo triodo, nem de longe se assemelha à sua operação tradicional.

Outra coisa que é muito importante destacar é não se trata de um atenuador eficiente. Aliás, é o menos eficiente de todos, pois na prática uma redução de 50W para 25W, resulta em insignificante redução de 3dB no volume. Ou seja, como o ouvido humano é logarítmico e não linear a redução de volume não é proporcional à redução de potência.

Costumo dizer que nem se trata de um atenuador de verdade, mas muito mais uma chave de variação de timbre e headroom. No modo normal (pentodo ou tetrodo) temos mais headroom e timbre mais “aveludado” e no modo triodo temos menos headroom e timbre mais seco e áspero. Como esta questão de timbre é muito pessoal, certamente, terá gente que irá me dizer que prefere o modo triodo. Para mim tudo bem… gosto é igual *&)*, cada um tem o seu (risos)!

 

Alto-falante atenuador:

Como já apresentamos acima, este tipo consiste na utilização de um alto-falante de baixa sensitivity para reduzir a eficiência ou melhor dizendo a pressão sonora. Já dissemos na nossa série sobre Alto-Falantes de Guitarra do Guia de Sobrevivência que os transdutores são os equipamentos de áudio mais ineficientes que existem. Os fabricantes via de regra buscam melhorar esta eficiência com projetos para aumentar a energia mecânica. Mas também não é de se espantar que alguns deles (como a Eminence) lance produtos com esta finalidade.

Minha preocupação com este tipo de atenuação é apenas uma, o timbre. O problema é que ao se utilizar falantes de baixa sensitividade, o primeiro prejudicado é o timbre. Normalmente a atenuação também acontece em algumas frequências.

 

 

Conclusão sobre os atenuadores de potência

 

Particularmente, eu curto muito atenuadores de potência. Sabe por quê? Porque gosto muito do crunch e punch de um amp valvulado no talo, mas na maioria das minhas aplicações um amplificador de 15W já fica com volume alto demais sem passar do volume 4 ou 5. Deste jeito, praticamente impedindo que se obtenha a saturação do power.

Se você não curte uma “sujeirinha” da etapa de potência, e tem um amp de altíssimo headroom, atenuador pode até ser algo desnecessário, pois neste caso só um controle de master já é o suficiente para suas necessidades.

Também é importante destacar que atenuador de potência só faz sentido em amplificadores valvulados, pois os amplificadores transistorizados  não “engordam” o som quando sua etapa de potência é saturada, nem produzem distorção de power agradável aos ouvidos.

 

Um abraço e até o próximo Guia de Sobrevivência!

 

 

Elvis Almeida

Elvis Almeida