• Home »
  • Dicas »
  • [Artigo] EFX Pure PLEXI – A reinvenção de um clássico!

[Artigo] EFX Pure PLEXI – A reinvenção de um clássico!

I – Um pouco de história do amplificador Plexi

Marshall Plexi JTM100 Reissue (Circuito 1959)

Marshall Plexi JTM100 Re-issued (Circuito 1959) Fonte: site oficial da marca

Sabe como começa a história da Marshall Amplification? Com a Fender!

Chega a ser engraçado este fato, mas é que Jim Marshall (aliás, quem o conheceu afirma que além de simpático, era visionário) era um mero baterista que vivia de dar aulas e de uma lojinha de reparos, vendas e trocas de instrumentos.

Os amplificadores Fender (Bassman e Tweed Deluxe) eram estrelas na década de 50, sendo os amplificadores mais desejados do mundo. Naquela época, mesmo a indústria não era altamente automatizada como é hoje, quase tudo era feito à mão, o que encarecia muito um produto. Desta forma, os amplificadores Fender eram excelentes (e ainda o são), mas custavam “os olhos da cara”, principalmente num cenário pós-guerra. Mesmo na Inglaterra, a importação destes amplificadores era muito dispendiosa e demorava muito, o que inviabilizava sua entrada na terra da rainha.

EFX CUSTOM EFFECTS – Breve histórico

A EFX Custom Effects começou suas atividades em meados de 2002, quando o guitarrista e até então estudante de engenharia elétrica, Eugenio Vila Gregório, decidiu fazer alguns experimentos de eletrônica e utilizá-los para alterar o som de sua guitarra. Os seus amigos gostaram bastante dos resultados e começaram a lhe encomendar pedais e modificações, e o que era apenas uma experiência, se tornou um ofício.

De lá pra cá, muita coisa mudou, principalmente a evolução dos circuitos e nas melhorias dos projetos.

A EFX mantém em seu catálogo sempre os pedais mais clássicos e reproduções de timbres famosos e consagrados. Cada projeto é cuidadosamente testado e escolhido. As mais variadas classes de efeitos se encontram disponíveis com construção e componentes de primeira, “True Bypass” e com caixas e layouts bem elaborados.

Foi aí que Jim Marshall, teve a ideia de montar amplificadores baseados nos Fenders, mas adaptando o circuito (especialmente válvulas) àquilo que ele tinha à disposição no mercado europeu. Veja o que Jim disse ao escritor biográfico Michael Doyle:

Obviamente, eu escolhi os amps Fender, porque eles eram meus amplificadores favoritos, e o modelo Bassman parecia estar mais próximo do som que as pessoas estavam falando…” (DOYLE, Michael. The History of Marshall: The Ilustraded Story of “the Sound of Rock”. Editora Hal Leonard Corporation, p. 12. Tradução livre)

A primeira grande alteração foi a substituição das válvulas de power 6L6 por EL34, mais facilmente encontradas na Inglaterra (e mais baratas também). O primeiro protótipo foi montado em 1962 (na época com 50W) e mais tarde se tornou o famosíssimo JTM45.

Clássico é Clássico. O tradicional timbre britânico aos seus pés! Compre já seu EFX Pure Plexi!

Como o Rock começou a ocupar palcos cada vez maiores, principalmente estádios nos grandes festivais, Pete Thownshend (The Who) pediu a Jim que fizesse um amplificador de 100W, o que foi prontamente atendido.

E de onde veio o nome Plexi? De plexiglass (acrílico). Os amplificadores ganharam este apelido quando Jim Marshall passou a usar os faceplates (painéis) de acrílico. Mas os circuitos que consagraram e até hoje são considerados os verdadeiros titulares da alcunha são os JTM 100 (circuito 1959) e JTM 50 (circuito 1987 – lançado posteriormente), denominados “Marshall Plexi SuperLead”.

O modelo de 100W, no entanto era o mais usado, tendo sido o modelo preferido de ninguém menos que Jimi Hendrix. Bandas britânicas de rock nos anos 60 e 70 (Deep Purple, Cream, Jeff Beck… etc.) também foram responsáveis pela divulgação do modelo, pois na época houve uma verdadeira “british invasion” no cenário musical.

Pode-se arriscar a dizer que 90% do que era gravado (estamos falando de Rock) neste período utilizava o Marshall Plexi, sem contar o uso destas paredes de amplificadores nos grandes festivais, como o Isle of Wight.

Desta forma, nascia um timbre clássico, responsável por revolucionar o Rock a partir de então.

II – A trajetória do Pure Plexi fabricado pela EFX Custom Effects

A EFX Custom Effects está no mercado de pedais handmade desde 2002. Desde então, muitos modelos foram lançados, mas um dos que mais se destacaram foi o Pure Plexi. (Vide box com a história da EFX)

O Pure Plexi foi oficialmente lançado no ano de 2010 e já ocupa posição de destaque no mercado nacional. Com centenas de unidades fabricadas, ele ocupa posição garantida no rig de diversos guitarristas Brasil afora.

Desde o lançamento do Lovepedal Purple Plexi 800, uma onda de fabricantes em todo o mundo lançaram pedais “simuladores” do amplificador Marshall Plexi. A EFX Custom Effects não ficou para trás e criou o Pure Plexi, aperfeiçoando as tecnologias então existentes, após ampla pesquisa e testes exaustivos. Em relação a muitos concorrentes, por exemplo, foi adicionado o controle de “presence” (já na primeira versão), aproximando-se mais ainda do amplificador Plexi.

Evolução do pedal Pure Plexi - EFX Custom EffectsIsto é um diferencial entre o Pure Plexi e seus concorrentes, pois o controle de “presence” permite “abrir” mais o som, dando mais brilho ao timbre. Outro destaque é o booster independente, que torna o Pure Plexi um pedal completo, indicado tanto para bases como para solos. Desta forma, o booster pode ser utilizado tanto para dar um up no volume na hora dos solos, como também pode ser usado em combinação com outros drives antes ou depois do Pure Plexi, funcionando também como boost de ganho (se usado antes de outras distorções).

Vale a pena destacar também que, mesmo com tantos upgrades, o preço do pedal desde o lançamento basicamente permaneceu inalterado, fruto dos esforços da EFX em criar pedais de altíssimo custo-benefício. Não é por acaso que ele é um sucesso entre diversos guitarristas dos mais variados estilos, pois alia timbre surpreendente por um valor extremamente justo.

O prazo de entrega do Pure Plexi é de aproximadamente 2 (duas) semanas, raramente ultrapassado, pois a EFX também investiu bastante em padronizações sem perder o olhar acurado do handmaker em cada montagem. Assim, cada componente é testado previamente e finalizada a montagem, o pedal é exaustivamente testado antes do envio ao cliente.

Com o tradicional timbre britânico (british voicing), o Pure Plexi é indicado para guitarristas do Classic ao Hard Rock, pois a quantidade de distorção é na medida para todos estes estilos, sobrando até. Se você curte AC/DC, então este pedal foi feito para você!

Dada à sua versatilidade, é um pedal usado inclusive por baixistas que desejam tirar um timbre parecido com o de Lemmy do Motörhead.

Portanto, após uma trajetória de quase 5 (cinco) anos, o Pure Plexi ocupa posição importante no mercado nacional, tornando-se uma excelente ferramenta para guitarristas profissionais e amadores, sendo um verdadeiro marshall-in-a-box. Portanto, este pedal já nasceu um clássico!

Um abraço e até o próximo artigo!

Elvis AlmeidaElvis Almeida