• Home »
  • Dicas »
  • [Guia de Sobrevivência] Alto-Falantes: Guitarra – Impedância – Parte 3

[Guia de Sobrevivência] Alto-Falantes: Guitarra – Impedância – Parte 3

Saiba mais sobre a impedância dos alto-falantes de guitarra

 

Por Elvis Almeida
e Christian Castro

Alto Falante de Guitarra - Guia de Sobrevivência - Parte 3 - ImpedânciaCasamento de impedâncias:

 

O termo impedância, vem da palavra impedir, ou seja opor a algo ou alguma coisa. É uma espécie de resistência. No caso do áudio, ela é a oposição de um circuito ao sinal, assim o acoplamento de dois circuitos com impedâncias distintas irá dificultar o fluxo regular do mesmo.

 

Se a impedância do falante é maior que do power, a energia entregue ao primeiro será menor e o rendimento em termos de volume é menor, como se houvesse um afunilamento. Se a impedância é menor no falante, este irá opor menos resistência, de modo que a transferência é aumentada, como se houvesse um alargamento.

 

Eventualmente a ligação de um falante com impedância maior que a saída do amplificador valvulado não causará danos, pois neste caso a transferência será menor. Mas de qualquer forma, o casamento perfeito é sempre desejável, pois, ainda que a utilização de um alto-falante com impedância maior não danifique o amplificador, isto ocasionará uma perda de rendimento.

 

A tolerância em circuitos transistorizados é bem maior, e não é raro encontrarmos amplificadores com as seguintes especificações: 40W em 8 ohms e 80W em 4 ohms. Isto ocorre porque a ligação do falante na potência é muitas vezes direta (possuem impedâncias compatíveis) e o fluxo de corrente aumenta (dobra) quando há menos resistência.

 

Já no circuito valvulado, isto não é possível, pois o transformador de saída desempenha função dupla, além do casamento das impedâncias, ele atua também como um filtro da corrente contínua. O sinal de áudio é apenas corrente alternada, e é só deste sinal que o falante precisa para funcionar.

 

Ao conectar impedâncias diferentes, não só poderá sobrecarregar e danificar a saída do amplificador, como também, poderá passar fortes “doses” de corrente contínua, podendo danificar o alto-falante. Se a saída não queimou pela sobrecarga pela ligação incorreta, irá danificar-se depois que o falante deixar de funcionar, e zerar o fluxo de corrente. Por causa disso, quanto mais potente, mais cuidado deve ser tomado com o casamento perfeito da impedância, pois as correntes são maiores.

 

Por isso, sempre recomendamos o casamento de impedâncias.

 

Assista o vídeo que complementa bem os assuntos abordados aqui:

O que são Ohms?

 

Ohms, representados pela letra grega ômega, é uma resistência elétrica, uma unidade de medida reconhecida pelo SI (Sistema Internacional de Unidades). Ohms é a relação entre a tensão de um volt e uma corrente de ampére, ou seja, é a impedância dos mesmos, isto quer dizer que alto-falantes de 4 ohms devem ser ligados em amplificadores que foram projetados para trabalharem com a mesma impedância no caso 4. Se for ligado a um amplificador de 4 ohms um falante de 2 ohms temos uma sensação de aumento de potência, porém é prejudicial já que isto fará com que a saída do amplificador aqueça podendo levá-lo a ter sua saída danificada.

 

Por outro lado se invertermos a situação e ligarmos um falante de 8 ohms em um amplificador de 4 então temos somente a sensação de perda de potência. Por isso tanto amplificadores como alto-falantes especificam as suas impedâncias.

 

Obs. Existe amplificadores que podem trabalhar com várias impedâncias sem problemas, depende do projeto. Também temos a possibilidade de combinarmos 2 ou mais alto-falantes com impedâncias iguais ou diferentes para obtermos uma impedância desejada ligando-os em série, paralelo ou série-paralelo. Por exemplo: dois alto-falantes de 4 ohms ligados em paralelo dá a impedância final de 2 ohms e se forem ligados em série a impedância final é de 8 ohms.

 

Exemplos:

 

Suponhamos que um amp forneça 200W em 8 ohms ou 300W em 4 ohms.

1 – ligando UM falante de 4ohms: potência dissipada pelo amp: 300W, ou seja, o falante tem que ter 300W de potencia.
2 – ligando UM falante de 8ohms: potência dissipada pelo amp: 200w, ou seja, o falante tem que ter 200w de potência.
3 – ligando dois falantes de 4 ohms em serie: 8ohms de impedância final, potência dissipada: 200W dividindo a potência por 2… 100w pra cada falante… ou seja, pode usar dois falantes de 100W .
4 – ligando dois falantes de 8ohms em paralelo: 4ohms de impedância final: potência dissipada pelo amp: 300W, ou seja, pode usar dois falantes de 150W.

 

Associação de falantes:
Para que associar falantes?

A resposta é óbvia: para reunir qualidades. Se falantes mais potentes são menos sensíveis, ao revés de usar apenas 1 de 100W, usando 2 falantes de 50W eu tenho a mesma potência com maior sensibilidade. E se eu usar 4 falantes de 25W? Melhor ainda, você terá mais sensibilidade com a mesma potência final (isto considerando a regra geral, claro que há exceções como já abordamos).

Outra razão para associar falantes, é a questão da pressão sonora. 1 falante de 100W está sozinho movimentando o ar. Se são 4 se movimentando, o deslocamento de ar é maior, gerando mais eficiência sonora, desde que estejam todos em fase. Se a fase estiver invertida, o movimento de um anula o movimento de outro e aí “ferra” tudo. Por isso, a instalação dos falantes, quando associados deve ser feita corretamente, não é só ir soldando os fios aleatoriamente.

São estes os motivos que fazem com que a associação seja desejada na maioria dos casos. Isto não quer dizer que 1×12 não seja ideal, vai depender das características do falante e do amplificador. Pode ser que você encontre o casamento perfeito só com um falante. Repetindo… não há linearidade, são inúmeros fatores que influenciam no desempenho. E mesmo que perca um pouco de pressão sonora, às vezes a resposta às frequências te agrada muito mais, ou a escolha levou em conta também o tamanho da caixa.

Os modelos de caixas mais comuns para guitarra são 1×12, 2×12 e 4×12, mas também encontramos 1×10, 2×10 e 4×10 ou 1×8, 2×8 e 4×8.

Mas a problemática ainda não acabou. Sua tarefa não termina com a escolha do alto-falante. O gabinete, a caixa acústica propriamente dita, também tem influência direta no timbre.

 

Até a próxima parte!